A minha intenção é de somente divulgar uma pesquisa que realizei durante muito tempo, procurado saber sobre os diversos tipos de temperos, por uma mera curiosidade gastronômica. Gosto muito da gastronomia e sempre que posso me dedico a pesquisas nesse sentido. Tudo que escrevo aqui é fruto de pesquisa e, faço muitas copias daquilo que pesquisei. Não informo a fonte da pesquisa, pois verifiquei que em muitos sites se repetem os textos de outros sites, o que tornou difícil eu saber, na grande maioria, o autor da publicação e por isso omito esta informação. Se alguém identificar um texto seu, por favor, me indique que prontamente estarei indicando a sua autoria.

Gostaria que todos me ajudassem a enriquecer estas informações, complementado as que já existem, adicionando outras que julgar relevantes, e colaborado com novos temperos e/ou receitas.

Seguidores

sexta-feira, 9 de setembro de 2011


ANIS – ERVA DOCE


Dados Gerais: 

O Anis (Pimpinella anisum L.) é uma planta de sementes aromáticas e com fortes características medicinas e curativas. É muito utilizada para combater males do aparelho digestivo, como excesso de gases, problemas na digestão, atua combatendo a aerofagia e é considerado um ótimo estimulante gastrointestinal.
Além das qualidades medicinais, devido ao à sua essência aromática, é utilizada para “dar gosto” a medicamentos, licores, chás e pratos da culinária. A planta apresenta flores brancas, caule estriado e frutos aromáticos, é conhecida em outros países como anis, ou anis verde. 
Somente no Brasil ela é conhecida como Erva Doce. Nativa do Oriente Médio, cresce atualmente no sul da Rússia, Turquia, Índia e em muitas partes da Europa, onde é uma especiaria popular para aro matizar as bebidas alcoólicas. Uma das mais antigas especiarias, a erva-doce é parente botânico do endro, do funcho, do kümmel e do cominho. A planta cresce até uma altura de cerca de 60 em, tem folhas semelhantes às do coentro e cachos de flores branco-amareladas.

Utilização/Preparo:

Muito utilizada sob forma de semente para temperar biscoitos, pães e bolos (o de fubá já é tradicional). Vai também em tortas de frutas, maçãs assadas, caldas de doces e canapés.As sementes também temperam e dão aroma às carnes, linguiças na grelha, salames. Suas folhas dão um toque especial às saladas e feijão branco. Os europeus costumam por um galhinho com folhas nos picles e conservas. As sementes maceradas lentamente na aguardente fazem o licor anisete.No quentão, tira o gosto ardido do picles, suavizando o sabor. Seu bulbo grosso e carnudo e suas folhas delicadas são utilizadas no preparo de molhos e sopas.

Conservação:

Seja em grãos ou moída devem guardadas numa embalagem hermeticamente fechada, em local seco, fresco e ao abrigo da luz, mantém o seu aroma durante cerca de um ano.

Cuidados na Compra:

A erva-doce está disponível em grão e moída em supermercados bem abastecidos e devemos cuidar a data de validade.

Cuidados no Uso:

Alergias ao anis (Erva-Doce) e ao anetol. Hiperestrogenismo. Não usar o óleo essencial por via interna na gravidez ou no aleitamento. Crianças menores de seis anos e doentes com problemas intestinais ou doenças neurológicas.

Curiosidades:

Há mais de 3.500 anos, a Erva-Doce foi reconhecida como uma especiaria e um produto medicinal.

Sempre foi valiosa: esteve nos jardins suspensos da Babilônia, no dos príncipes persas e nos de Carlos Magno, o Rei amante das ervas.

Com as sementes, Jesus mandou o povo da Judéia pagar as suas dívidas. Os romanos mastigavam-nas após as refeições e punham-nas nas taças de vinho. Os romanos faziam com o anis o MUSTACEUS, um bolo que era servido ao final dos banquetes (foi o precursor dos bolos de noiva condimentados); era tão preciosa na Antiguidade, que a Inglaterra pagava impostos sobre sua importação.

No Egito, as folhas perfumavam as camas e a roupa para um bom sono.

Algumas receitas:

Biscoitões de Polvilho

Rendimento:
30 a 40 porções

Ingredientes:
1 pires de chá de banha derretida
1 colherinha de café erva-doce
1 pires de chá farinha de milho coada
1 xícara de chá leite
3 ou 4 ovos 2 pratinhos
polvilho azedo
1 colherinha de café de sal

Modo de preparo:
Numa vasilha, desmancha-se o polvilho no leite, desfazendo os caroços. Deixa-se a farinha de milho no leite para amolecer. Misturar no polvilho a banha, a farinha de milho, o sal, a erva-doce e, por último, amassar e juntar um a um os ovos. Amassar bem. A massa não deve ser muito dura; basta uma consistência que se possa enrolar. Enrolar os biscoitões e marcar cada um no meio com carretilha. Levar a forno quente no princípio, deixando depois em brando para enxugar.

Broas de Fubá de Milho

Rendimento:
25 a 30 porções

Ingredientes:
1 copo de fubá de milho
1 copo de farinha de trigo
1 copo de leite
1 copo de água
1 colher de chá de erva-doce
1/2 copo de margarina
1 copo de açúcar
1 colher de chá de sal
6 a 7 ovos.

Modo de preparo:
Peneirar junto, por duas vezes, o fubá e a farinha. Colocar numa panela, o leite, a água, o açúcar, a margarina, o sal e a erva-doce. Misturar tudo e levar ao fogo. Assim que ferver, coloque de uma só vez, a mistura de fubá e a farinha e mexa sempre, com rapidez, até formar um angu que desprenda do fundo da panela. Retirar do fogo e bater até amornar bem. Feito isso, adicionar, sempre batendo os ovos inteiros, um de cada vez, até conseguir uma massa de consistência, que consiga ser enrolada.
Untar uma tigelinha ou xícara com margarina, e polvilhe com fubá. Colocar no recipiente uma bolinha de massa e dê o movimento de rotação para enrolar. Em seguida, deite a broa em um tabuleiro levemente untado com margarina. Depois de tudo pronto, leve ao forno quente para assar.

Pão de Linguiça com Perfume de Erva doce

Rendimento:
6 a 8 porções

Ingredientes:
2 tabletes de fermento biológico fresco
2 xícaras de leite morno
6 xícaras de farinha de trigo
7 colheres de sopa de azeite
2 ovos
500g de lingüiça calabresa defumada, cortada em fatias diagonais
4 colheres de sopa de manjericão picado
4 colheres de sopa de cebola picada
2 colheres de chá de semente de erva-doce
2 colheres de sopa de sal grosso esmigalhado para polvilhar

Modo de preparo:
Em uma tigela pequena, misture o fermento com o leite. Em outra tigela, coloque a farinha, faça uma depressão o centro e despeje a mistura de fermento. Adicione 3 colheres de sopa de azeite e os ovos e misture deixando a farinha cair sobre a parte liquida. Transfira para uma superfície polvilhada com farinha e sove por dez minutos ou até a massa desgrudar das mãos (se necessário acrescente mais farinha). Em uma tigela untada com azeite, deixe a massa crescer, coberta com um pano, por 1 hora. Em uma vasilha, misture a linguiça, o manjericão, a cebola, o azeite restante e a erva-doce e junte a massa. Transfira para uma forma de buraco no meio de 26,5 cm de diâmetro e 11 cm de altura, untada com azeite e polvilhe o sal grosso. Cubra Com um pano e deixe crescer por 1 hora. Leve ao fogo moderado por 45 minutos ou até dourar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário